The Economist just reported that the APA will release a draft of the DSM-V (at least the the diagnostic crtieria) on Feb 10th.*

The Economist just reported that the APA will release a draft of the DSM-V
(at least the the diagnostic crtieria) on Feb 10th.*

http://www.economist.com/sciencetechnology/displaystory.cfm?story_id=15450623

2-04-10: The Economist: “That way, madness lies – A new manual for diagnosing diseases of the psyche is about to be unveiled”
<http://www.economist.com/sciencetechnology/displaystory.cfm?story_id=15450623>

That way, madness liesA new manual for diagnosing diseases of the psyche is about to be unveiled

Feb 4th 2010 | From *The Economist* print edition KobalPrepare to have your paradigms shifted

ON FEBRUARY 10th the world of psychiatry will be asked, metaphorically, to lie on the couch and answer questions about the state it thinks it is in. For that is the day the American Psychiatric Association (APA) plans to release a draft of the fifth version of its Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-V). Mental illness carrying the stigma that it does, and the brain being as little-understood as it is, revising the DSM is always a controversial undertaking. This time, however, some of the questions asked of the process are likely to be particularly probing.

The DSM, the first version of which was published in 1952, lists recognised psychological disorders and the symptoms used to diagnose them. In the United States, what is in it influences whether someone will be diagnosed with an illness at all, how he will be treated if he is so diagnosed, and whether his insurance company will pay for that treatment. Researchers in other countries generally defer to the DSM, too, making the manual’s definitions a lingua franca for the science of medical psychology. And, perhaps most profoundly, the DSM influences how mental illness is understood by society at large.

A new DSM, then, is an important document. The APA has been working on the latest revision since 1999, and will not release the final version until May 2013. But some people are already accusing it of excessive secrecy and being too ambitious about the changes it proposes. Those critics will be picking over the draft next week to see if their fears have been realised.

Manual dexterity

The original DSM reflected the “psychodynamic” view of mental illness, in which problems were thought to result from an interplay between personality and life history. (Think Freud, Jung and long hours recounting your childhood and dreams.) The third version, which was published in 1980, took a more medical approach. Mental illnesses were seen as distinct and classifiable, like physical diseases. DSM-III came with checklists of symptoms that allowed straightforward, unambiguous diagnosis. Psychiatry began to seem less like an art form and more like a science.

DSM-III also introduced many more diagnoses than had appeared before. These included attention-deficit disorder (see article <http://www.economist.com/sciencetechnology/displaystory.cfm?story_id=15474577>), post-traumatic stress disorder and social phobia. In fact, the number of specific diagnoses more than doubled between DSM-I and DSM-III, from 106 to 265. DSM-IV, published in 1994, increased the number to 297, but left the underlying model alone. The APA’s DSM-V task force, however, has suggested it would like to introduce a “new paradigm” into the manual. It wants to recognise that many conditions, such as anxiety and depression, tend to overlap, so that a diagnosis of only one or the other does not always make sense. The new version of the DSM is also expected to include a “dimensional” component, one that considers the severity as well as the nature of symptoms. This could lead to the paradoxical situation of a symptom (minor depression, for example) being classified as being below the threshold for the diagnosis of a disease, but nevertheless still being regarded as a problem—leaving the individual so diagnosed in a weird medical limbo.

The chairmen of two previous DSM task forces have been particularly critical of the present effort. In a letter to *Psychiatric Times*, written last June, for example, Allen Frances, a psychiatrist at Duke University who chaired the DSM-IV task force, accused his successors of being too secretive, and of closing themselves off from outside opinion. He also worried that adding dimensional ratings to the DSM could lead to many more diagnoses based on symptoms that would previously have placed an individual in the normal range. Pharmaceutical companies, eager to expand their markets, would be tempted to pounce on these new “patients”. Dr Frances was supported by Robert Spitzer, a professor of psychiatry at Columbia University who was chairman of the DSM-III task force.

Members of the present task force, led by Alan Schatzberg, president of the APA, fired back a letter pointing out that they have held conferences, presented papers and consulted more than 200 outside advisers. They also accused Dr Frances and Dr Spitzer of having a financial interest in books based on the DSM-IV criteria. The two admit to receiving royalties, but say it has nothing to do with their criticism.

In the meantime, particular groups who may or may not be classified as “diseased” are also concerned about what ends up in the manual. Some of those with Asperger’s syndrome—who find it hard to “read” the emotional states and intentions of others, but have otherwise typical intellectual faculties—are worried by hints that their condition might be included under the more general heading of “autism spectrum disorder”. That would lump them with people whose intelligence is profoundly impaired. Transsexuals, meanwhile, want the diagnoses of “gender identity disorder” and “transvestic fetishism” that the new DSM is expected to promulgate changed to be more respectful and less judgmental. In fact, any changes to the list of sexual disorders, including a possible new category called “hypersexual disorder”,are bound to get attention.

February 10th will be the first chance most people, including the critics, have to look at the document. When they do, the criticism is likely to get louder. After all, the effort to classify and categorise disorders of something as complex as the human mind—especially when that categorisation is done by committee—is unlikely to please everybody. It will be interesting to see what direction the new DSM is going in, and whether it stands up to analysis.

Escola com T

Portaria decreta que escolas municipais de Fortaleza aceitem nome social de travestis e transexuais

Na semana em que se comemora o Dia da Visibilidade Trans, a Secretaria Municipal de Educação (SME) e Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) assinaram Portaria que garante o uso do nome social quando o cidadão for acessar as políticas públicas e matricular-se na Rede Municipal de Ensino. A partir de agora, está assegurado o direito do uso e tratamento pelo nome social aos travestis e transexuais, no âmbito da escolas municipais. A Portaria nº 03/2010 tem como objetivo combater a discriminação do homossexual e promover respeito à dignidade, possibilitando que cada um se apresente à sociedade com o nome que desejar. O nome social, ou de guerra, escolhido pelo aluno será aplicado ao lado do nome civil nos registros, cadastros, listas de presença e demais documentos oficiais relacionados à educação.

Mais informações com as assessoras de comunicação da SME, Nara Gadelha e Cristiane Gutierrez, pelos telefones 3433.3598/8892.4684/8766.0146 e com a assessora de comunicação da Semas, Klycia Fontenele, pelos telefones 3105.3489/8792.3662.

Leia a íntegra no portal http://www.fortaleza.ce.gov.br.

Transexual, gay e pai

Segundo homem grávido no mundo dá à luz em Fevereiro

Nasceram os dois com um corpo feminino, mudaram ambos de sexo, casaram-se e agora um deles vai dar à luz em Fevereiro. Scott e Thomas Moore inauguram um novo tipo de família.

É o segundo caso conhecido de um homem grávido. Scott, 30 anos, engravidou com inseminação artificial e fará uma cesariana já no próximo mês. O casal já escolheu o nome da criança: Miles.

Os dois vivem na California (onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi proibido em 2008), mas são legalmente casados porque Scott nunca mudou o sexo na certidão de nascimento.

Este será o terceiro filho do casal. Os outros dois, com 10 e 12 anos, são de uma relação antiga de Thomas, com uma ex-companheira que já faleceu.

“Eu sei que muitas pessoas vão nos criticar, mas estou imensamente feliz e não tenho qualquer vergonha”, disse Scott ao “Daily Mail”.

O primeiro caso de um homem grávido foi conhecido em 2008. O americano Thomas Beeatie deu à luz uma menina chamada Susan em Julho desse ano.

Rede de Lésbicas Pesquisadoras

CARTA – COMUNICADO

V Conferencia de ILGA-LAC

ASSUNTO: Fundação da REDE DE LÉSBICAS PESQUISADORAS

Nós, lésbicas pesquisadoras do Brasil, México e Venezuela, reunidas entre os dias 26 a 30 de janeiro de 2010, na cidade de Curitiba-Brasil, durante a 5ª Conferencia Regional da ILGA-LAC, que teve a participação de mais de 400 pessoas e de 37 país da América-Latina e Caribe, vimos por meio desta Carta socializar à comunidade latino-americana e caribenha a fundação da Rede de Lésbicas Pesquisadoras.

Assim, a Rede de Lésbicas Pesquisadoras tem como objetivo geral: Estimular produções científicas elaboradas por pesquisadoras lésbicas, visando a desconstrução de conceitos/ideologias heterossexistas, patriarcais, capitalistas, racistas e lesbofóbicas. Dentre os objetivos específicos, esta Rede se propõe a:

– Produzir conhecimento para a desconstrução dos conceitos e das análises que tem matriz heterosexistas, patriarcais, capitalistas, racistas e lesbofóbicas.

– Mapear as produções científicas elaboradas pelas lésbicas;

– Contribuir para a difusão da produção em publicações científicas reconhecidas;

– Promover a articulação entre as lésbicas pesquisadoras e os movimentos sociais;

– Apoiar sistematização das experiências de trabalhos realizados por organizações lésbicas ou outras organizações que desenvolvem intervenções voltadas para esta população;

– Promover espaços de discussão e reflexão sobre as produções acadêmicas das lésbicas pesquisadoras;

– Destacar a contribuição na construção do conhecimento das lésbicas pesquisadoras;

A Rede de Lésbicas Pesquisadora é aberta para todas as lésbicas e mulheres bissexuais que são pesquisadoras e têm o interesse em difundir e estimular a produção do conhecimento científico.

Fundadoras:

Eugênia Lopez Uribe- México

Glória Careaga- México

Heliana Hemetério – Brasil

Irina Karla Bacci- Brasil

Jandira Queiroz- Brasil

Luanna Marley- Brasil

Suely Aldir Messeder- Brasil

Tamara Adrian- Venezuela

Para quem tiver interesse basta enviar e-mail para lesbicaspesquisadoras@gmail.com

Curitiba-Brasil 30 de janeiro de 2010.

Terra nua

Acabo de deixar Brasília rumo ao Rio, e estou sentada à janela do avião. Fazia meses que eu não viajava com céu limpo, livre de chuvas e nuvens pesadas, turbulências. O sono vem, mas ao decolar, olho para baixo e levo um susto. Estranho a quantidade de circunferências tatuadas no solo do meu cerrado, plantações de soja e outras commodities.

Anos atrás, voltando de São Paulo a Brasília, estranharam-me também as circunferências. Era tempo de “Sinais”, e eu ria fazendo piadinhas com o filme. O motivo do estranhamento era a novidade daqueles desenhos tão perfeitos, vistos de cima. Por que redondo? Que tal tecnologia será essa?, eu me perguntava. Uma aqui, outra acolá, deviam ser novidade, perdidas no meio do cerrado ralo e seco.

Hoje, a tristeza bate. Saindo de Brasília elas dominam o mosaico lá embaixo, composto de enormes círculos interligados por linhas de terra – que devem ser caminho para trator ou algo do tipo – envoltos por áreas igualmente devastadas.

Estamos nos primeiros dias de fevereiro. Precisamente, dia dois de fevereiro, dia de Iemanjá. Tempo de flores no cerrado, colorido de amarelos, roxos, rosas, brancos, vermelhos e verdes… O céu aqui embaixo de mim está flocado de daquelas nuvens velhas conhecidas que pintam o céu de Brasília. Por baixo delas, no entanto, tudo verde puro, ton sur ton.

Tive medo de não ver as árvores que tanto aliviam a sensação de calor seco quando passeamos pelo cerrado. Ah! Ali estão. Consigo ver filetes de mata acompanhando o curso dos velhos rios. Velhos, frágeis, resistentes sobreviventes da morte que se espalha em campos de soja e gado “tipo exportação”. Será mesmo que esses homens pensam ser suficiente dar-lhos apenas essa estreita faixa de sombra para que não sequem e morram de vez? Se olhassem daqui, se reparassem nesse sol que brilha no céu ampla e vastamente, escalda a terra e seca o ar do cerrado, saberiam que os rios têm muito mais sede do queos fios dágua que eles deixaram podem saciar.

Agora vejo! Alguém salvou um pedacinho de mata lá embaixo. Deve ser aquele “percentual” obrigatório de preservação ambiental. Ocupa mais ou menos (mais pra menos que pra mais) um oitavo da área da janela do avião, na minha perspectiva, num ângulo próximo de 45º abaixo de mim. Já devemos estar a uns 15 minutos de viagem.

Quanta aridez. Quanta avidez! Quanta avareza!

Que cabeça tão seca pode ter idealizado tamanha destruição?

Vamos já a cerca de 35 minutos de viagem. Devemos estar sobrevoando Minas Gerais. A terra que se vê é mais clara, esbranquiçada, e o terreno mais acidentado. Morros, ranhuras na terra engilhada. Até vejo algo que se parece a um cânion. Por entre as frestas das montanhas, verdinhos mais escuros denunciam que a tecnologia dos homens de cabeça seca ainda não aprenderam a plantar soja e gado nas encostas dessas serras. UFA! Mas basta aparecer uma planiciezinha para virem junto as placas de cores homogêneas. Verde escuro, verde mais claro, marrom, amarelo.

A terra nua, arrasada, estruprada. E o povo passa fome. E o mundo tem sede.

%d blogueiros gostam disto: