Orgulho é isso!

Sou uma pessoa orgulhosa e não nego.

Tenho orgulho de ser mulher, de ser mãe, de ser lésbica, de ser brasileira (e como!!), de ser natural de Brasília, cidade que adoro, de ter um pé no Acre e outro no Ceará, e um dedinho no Goiás. Tenho orgulho de ser mãe de um lindo garoto e de uma encantadora garota, de ser neta de um casal guerreiro, filha de uma gente louca e irmã de uma legião de gente da melhor qualidade!!

Por exemplo, como eu já disse aqui no blog, tenho um orgulho porreta de ser irmã da FloraMattos, revelação do RAP nacional!!!

Esse cartaz aí eu encontrei na frente da minha casa. Levei um susto quando vi, e saí rindo pro povo na rua! 🙂

Clique para ver melhor Flora Mattos revelação do RAP nacional

Anúncios

28 de junho, dia do Orgulho!

Participe!

Rio pelo Dia Mundial DO ORGULHO DE LGBT

De 25 a 29 de junho de 2009, o Movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) Fluminense e o Governo do Estado do Rio de Janeiro, através da Superintendência de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria de Estado de Assistência Social; com apoio do Grupo Arco-íris de Cidadania LGBT, do Centro Cultural Oduvaldo Vianna (Castelinho do Flamengo) e do Atelier Almir França realizam um conjunto de atividades como oficinas, mostra de filmes, exposições, rodas de conversa, mobilizações comunitárias, culto ecumênico, atos públicos, entre outros, como seguem na programação oficial.

Por que o dia 28 de junho é o Dia Mundial do Orgulho LGBT?

Na madrugada de 28 de junho de 1969, em Nova Iorque, freqüentadores do bar Stonewall Inn reagiram a uma batida policial arbitrária, com o intuito de achaque e intimidação, e decretaram um basta à discriminação e ao preconceito contra os homossexuais. Essa revolta é considerada o marco do início do movimento moderno de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em busca de sua cidadania e o reconhecimento de seu papel na sociedade. A reação teve repercussão internacional e o dia 28 de junho foi estabelecido como dia mundial do orgulho LGBT. Em 1970, ativistas pró-direitos dos LGBT nos EUA organizaram uma marcha para lembrar o levante de Stonewall, assim surgiram as Paradas do Orgulho LGBT.

Hoje, a luta pelos direitos de cidadania da população LGBT continua. A homofobia – medo, aversão, preconceito e ódio contra LGBT- se manifesta de diversas maneiras, e em sua forma mais grave resulta em ações de discriminação e violência, até o assassinato de LGBT com requintes de crueldade. No Brasil, a Campanha Não Homofobia foi criada pelo Grupo Arco-Íris em outubro de 2008 e, através do site http://www.naohomofobia.com.br, tem o objetivo de ser um canal de divulgação, pressão e mobilização social, pela aprovação do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/06, que criminaliza a homofobia em nosso país.

Acesse o site http://www.naohomofobia.com.br e participe do abaixo-assinado virtual para juntos acabarmos com a homofobia no Brasil.

A entrada é franca em todos os eventos, com exceção àqueles que têm citação de preço. Aproveite bem a programação.

Programação Oficial

25.06 (quinta)

14h – Oficina “Saúde da população LGBT em Nova Iguaçu”

Apresentação das diretrizes do Programa Rio sem Homofobia (Cláudio Nascimento – SEAS. DH-RJ); apresentação das diretrizes da Secretaria de Atenção Básica e Políticas Públicas (Adriana Coser – SMS –Nova Iguaçu); apresentação e discussão das propostas de saúde da I Conferência Estadual de Políticas Públicas para LGBT do Rio de Janeiro (Carla Mattos e Gerson Santos – SEAS. DH-RJ); encaminhamentos e propostas municipais (Cláudio Nascimento – SEAS. DH-RJ e Adriana Coser – SMS –Nova Iguaçu)

Público alvo: Gestores públicos e ativistas LGBT da Baixada Fluminense

Local: UNIG – Av. Abílio Augusto Távora, 2134 – Nova Iguaçu –RJ Infos: 21-2667-4559 / 21-2334-5546 / 21-2334-5528

Realização: Superintendência de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SUPERDir/SEAS.DH) & Secretaria Adjunta de Atenção Básica e Políticas Estratégicas da Secretaria Municipal de Saúde de Nova Iguaçu

17:30h – Encontro com exibição de filme e informes sobre o Centro de Referência de Prevenção e Combate à Homofobia Hanna Suzart

Presença do Secretário de Assistência Social Dermeval Barboza Moreira Neto

Local: Centro de Referência de Prevenção e Combate à Homofobia Hanna Suzart – Av. Alberto Braune, 223 – Centro – Nova Friburgo Infos: 22-2523-7907

Realização: Grupo Mover-Se

26.06 (sexta)

17h – Ato Solene pelo Dia Mundial do Orgulho LGBT

Autoridades, personalidades, ativistas e interessados/as

Coquetel & Performances

Local: Castelinho do Flamengo (Praia do Flamengo 158) Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: SUPERDir/SEAS.DH

Apoio: Centro Cultural Oduvaldo Vianna (Castelinho do Flamengo) e Atelier Almir França

18h – Lançamento da Exposição “História das Paradas do Orgulho LGBT – Rio” – Curadoria: Almir França

Local: Castelinho do Flamengo (Praia do Flamengo 158) Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT

Apoio: Centro Cultural Oduvaldo Vianna (Castelinho do Flamengo) e SUPERDir/SEAS.DH

19:30h – Roda de Conversa “Dia 28 de junho: histórias, conquistas, perspectivas e desafios”

Palestrantes: Cláudio Nascimento, Augusto Andrade, Jane Di Castro, Rosângela Castro, Leila Maria, Alex Halter, Luiz Carlos Freitas e Gilza Rodrigues

Local: Castelinho do Flamengo (Praia do Flamengo 158) Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT

Apoio: Centro Cultural Oduvaldo Vianna (Castelinho do Flamengo) e SUPERDir/SEAS.DH

27.05 (sábado)

14h – Sessão de Cinema Entre Ellas – Especial em Comemoração ao dia do Orgulho LGBT

Com exibição do filme “Desejos Proibidos” e roda de conversa.

Local: Av. Rio Branco, 131 -16º andar – Sala D’ELLAS Infos: 21-9944-2562

Realização: Movimento D’ELLAS

16h – Roda de Conversa “Promovendo a Cultura LGBT, o transformismo na cena gay”

Público Alvo: Drag-Queens, Transformistas e Artistas da cena gay

Local: Castelinho do Flamengo (Praia do Flamengo 158) Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT

Apoio: Centro Cultural Oduvaldo Vianna (Castelinho do Flamengo) e SUPERDir/SEAS.DH

19h – Projeto Vamos Nos Ver – Especial Cine Bolacha

Com exibição do filme “Itty Bitty Titty Committee” (Turminha das Sapinhas de Tetinhas Pequeninas)

Voz e Violão: Juliana Farina e Elza Ribeiro

Local: Castelinho do Flamengo (Praia do Flamengo 158) Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT

Apoio: Centro Cultural Oduvaldo Vianna (Castelinho do Flamengo) e SUPERDir/SEAS.DH

28.06 (domingo)

10h – Ato pelo Dia Mundial do Orgulho LGBT

Contra a Homofobia, pela Paz e aprovação do PLC 122/06

Local: Cristo Redentor – Rua Cosme Velho, 513 – Cosme Velho Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: Fórum Estadual de Organizações LGBT; Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT – Rio; Associação das Travestis e Transexuais do Rio de Janeiro (ASTRA-RIO); Movimento D’ELLAS – Rio; Grupo de Mulheres Felipa de Sousa-Rio; Grupo Conexão G – Rio; Centro de Documentação e Informação Coisa de Mulher (CEDOICOM) – Rio; Grupo Diversidade Niterói (GDN); Grupo 28 de Junho – Nova Iguaçu; Associação de Gays e Amigos de Nova Iguaçu e Mesquita (AGANIM); Grupo Triângulo Rosa – Belford Roxo; Grupo Diversidade Sexual – São João de Meriti; Grupo Cabo Free – Cabo Frio; Grupo Iguais – Cabo Frio; Cores da Vida – Rio das Ostras; Movimento da Diversidade Sexual (MDS) – Macaé; Grupo Pluralidade e Diversidade (GPD) – Caxias; Instituto Arco-Íris de Direitos Humanos e Combate a Homofobia – Rio; Grupo Sete Cores – Niterói; Grupo MOVER-SE – Friburgo; Grupo Nobreza – Petrópolis; Grupo Atividade E’Natividade – Natividade e Grupo Esperança – Campos Goytacazes.

14h – Inauguração do Centro de Cultura LGBT de Niterói

Local: Rua Aurelino Leal, 31 – Centro – Niterói Infos: 21-9121-2274

Realização: Grupo Diversidade Niterói (GDN)

14h – Ação de mobilização contra a homofobia e a violência nas favelas da Maré, Jardim Palmares, Morro da Fé, Morro dos Prazeres e Morro do Alemão

Infos: 21-9886-9989

Realização: Grupo Conexão G

14h às 17h – Divulgação da Campanha Tem Mulheres na Parada!!! – Pelo dia do Orgulho LGBT –

Local: Praia de Copacabana (Entre a Barraca da Fau e o Quiosque Rainbow – em frente ao Copacabana Palace)

Infos: 21-9944-2562

Realização: Movimento D’ELLAS

18h – Projeto Vamos Nos Ver – Sessão Especial Orgulho LGBT

Exibição dos filmes Stonewall- O lugar dos meus sonhos e Milk- A Voz da Igualdade

Local: Castelinho do Flamengo (Praia do Flamengo 158) Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT

Apoio: Centro Cultural Oduvaldo Vianna (Castelinho do Flamengo) e SUPERDir/SEAS.DH

19h – Ato Público pelo Dia do Orgulho LGBT em Belford Roxo

Local: Praça de Heliópolis – Belford Roxo. Infos: 21-8116-3028

Realização: Grupo Triângulo Rosa

19h – Culto de celebração pelo Dia do Orgulho LGBT com leitura de manifesto contra a homofobia e oração pelas vítimas da homofobia religiosa e social

Local: Comunidade Betel do Rio de Janeiro – Praia de Botafogo, 430, Sobreloja Infos: 21-3353-2784 e 21-8704-4143

Realização: Comunidade Betel do Rio de Janeiro (www.betelrj.com)

22h – Festas pelo Dia Mundial de Combate a Homofobia

Local: Boate 1140 (Rua Capitão Menezes, 1140, Praça Seca) Infos: 21-3017-1792 e (21) 7830-8867 – (www.boite1140.com.br)

Ingresso com flyer R$3,00 até 23h sem flyer R$5,00 até 23h e após R$10,00.

Realização: Boate 1140

29.06 (segunda)

8:30h às 13h – Oficina de Capacitação sobre Transexualidade e Cidadania

Palestrantes: Alexandre Santos (Presidente da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo), Carla Machado (educadora, participante do Coletivo Nacional de Transexuais e da Comissão Executiva do Fórum Paulista LGBT), Márcia Arán (Doutora em Saúde Coletiva – IMS/UERJ), Thaís Ribeiro (psicóloga do IEDE), Majorie Marchi (Presidente da Associação de Travestis e Transexuais do Rio de Janeiro /Astra-Rio)

Coffee-Break às 8:30h e Brunch às 13h

Local: Auditório da Secretaria Estadual de Segurança Pública – Pça Cristiano Ottoni, Edifício Don Pedro II, s/nº, 4º andar Infos: 21-2334-5546 e 21-2334-5528

Realização: SUPERDir/SEAS.DH

Amanhecer na minha cidade

Aeroporto de Brasília

Movimentação de aviões civis em 24 horas

Impressionante. Os pontos amarelos representam aviões civis em movimento.

Esta animação, além de dar uma dimensão da quantidade de vôos diários que cruzam a atmosfera do planeta, nos dá também uma ideia de quem realmente causa mais impacto ao aquecimento global, poluição do ar e todas as demais práticas capitalistas que tornam nossa existência na Terra um tanto INsustentável.

FEMINA FEST

femina

Imagens da janela

Falta de luz causa mal humor

Quando estive na Holanda para um grande workshop com 100 comunicadorxs de todos os cantos do planeta, numa das noites de farra com a turma latina, uma amiga chilena impediu a outra amiga colombiana de acender o cigarro na chama da vela. Ela disse como quem alerta para um grande mal: acender o cigarro na vela causa mal humor!

Estou começando a considerar essa possibilidade. Na falta de luz elétrica para enxergar por onde anda e do isqueiro para acender o cigarro, quem não fica de mal-humor?

Semana passada eu tive a chance de testar isso. Saí do trabalho segunda-feira às 18h pensando em chegar em casa logo, quem sabe ir à academia dar uma malhadinha e adiantar alguns trabalhos no computador. Eu estava a uns 300 metros de casa quando me dei conta de que todas as janelas do meu prédio (são 160 apartamentos) estavam apagadas. Também o prédio ao lado estava todo no escuro, assim com a banca de jornal, o hotel que fica mais à frente, a academia com a porta fechada, todos os apostadores em cavalos na porta do turfe com cara de quem estava perdendo dinheiro à toa, o BigBi aberto, mas todo apagado com seus e suas atendentes com os cotovelos no balcão, esperando a luz voltar. Pensei: ah, não!… A primeira dúvida era se eu conseguiria entrar no prédio, consegui. Perguntei ao porteiro o que estava havendo e ninguém sabia, só sabiam que a luz tinha ido embora por volta das 15h e até aquele momento não havia solução.

 O que fazer quando você mora no 9º andar e não há eletricidade para mover o elevador até lá?

Pensei em duas alternativas: subir de escadas e ficar lá aqui em cima no escuro esperando o momento “fiat lux” ou procurar algum lugar para esperar com uma cervejinha gelada, de onde eu pudesse ficar olhando praquela esquina escura (sim, era só uma parte da rua, justamente a minha parte!). Escolhi a segunda opção.

Bati em um bar, não tinha mesa do lado de fora. Bati em outro, não podia fumar do lado de dentro. Parei na carrocinha de sopas e caldos que fica em frente ao mercado. Fiquei ali e decidi comer um angu com miúdos de frango, e pedi uma latinha de cerveja. 

Mal tinha acabado de sentar e percebi uma gritaria no portão do estacionamento do mercado.  Um garoto negro, forte, bonito, na faixa dos 13~14 anos ordenava que o segurança tirasse o dedo de sua cara. Achei que tinha sido algum desentendimento, fiquei prestando atenção pra prevenir abusos contra o menor, até que o garoto saiu. E voltou, e em poucos minutos nova gritaria. Ele saiu de novo, voltou novamente e em poucos instantes estava chamando um dos flanelinhas pra porrada no meio da rua, armado de uma pedra portuguesa apanhada da calçada. Óbvio que se tratando de um menor, ninguém quis chegar às últimas com ele. Mas não foi por falta de provocação.

Em um dos intervalos da confusão com o garoto, passou uma mulher numa camionete. Ela gritava tão histericamente dentro do carro com uma criança, que mesmo a senhora dona dos caldos estranhou e comentou: e era com a criança!

Pouco tempo depois disso, e já encerrada a confusão no estacionamento do mercado, nova gritaria no estacionamento. Era briga entre um casal, em que o homem dizia que não estava olhando pra nada de mais, e a mulher pedia satisfações por algo que ele tinha feito e que ela não gostou. Eu e a senhora dona da sopa não conseguimos entender direito o que se passava. Ainda bem que terminou rápido – ou pelo menos o casal foi embora rápido.

Um pouco depois disso, um fusca dourado parou na porta do hotel que estava exatamente na minha frente. Um homem na frente, uma mulher atrás. Ela se inclunou para frente e falou algo com ele, que imediatamente reagiu com um TABEFE na cara dela. Levei um susto e fiquei observando pra conferir se tinha visto direito. Eu tinha. Eles ficaram ali uns 20 minutos ou mais. Ela chorava, se lamentava, falava com ele, e levava mais tabefes. Senti um desejo enorme de tirá-la de dentro daquele carro, mas tive medo de ser pior.

Um parêntese: em Brasília eu tinha mais coragem de tomar atitudes como chamar a polícia, intervir. Aqui acho tudo tão arriscado, as pessoas tão revoltadas, agressivas e justiceiras, que me acovardo.

Finalmente um rapaz saiu do hotel, entrou no fusca e lá se foram aquel@s. Só depois de irem embora percebi que havia outra pessoa no banco de trás, provavelmente uma criança, pelo tamanho.

Eu já quase terminava de tomar a latinha quando ouvi um barulho metálico. Blômk! O sinal fechado, dois ônibus parados, e um táxi se enfia debaixo da traseira do segundo ônibus. Ambos motoristas ficaram tranquilos, não tinha o que argumentar ali, o taxista viajou na maionese e não freiou, ponto. Chamaram a perícia, preservaram a cena, tudo direitinho, a não ser pelo fato de que no Rio de Janeiro não se respeita a sinalização horizontal de trânsito. Portanto, o ônibus estava parado NO MEIO da pita, entre as duas faixas. Resultado: se não fosse pelo recuo destinado a embarque e desembarque na frente do hotel, nenhum carro passaria por ali enquanto a perícia não terminasse. Mas embora os carros passassem, os ônibus e caminhões tinham que dar uma volta enorme por Santa Tereza.

Acabou a latinha. Enchi-me de coragem e fui procurar comprar uma lanterna. Não achei. Entrei no mercado então pra compar velas, fazer o quê? Já me lembrando do mal-humor. Muita gente devia ter acendido cigarro com vela naquela noite… Aproveitei pra compar também algo pronto que eu pudesse lanchar mais tarde, algo fácil de preparar no 9º andar sem luz.

Quando saí do mercado, vi a banca de jornais com as luzes acesas, e atrás dela o meu prédio todo aceso também! UFA!! Salva pelo gongo! As velas ficaram de reserva para a próxima falta de energia, tomara que demore!

%d blogueiros gostam disto: